Deixar em casa com a babá ou dar uma educação na primeira infância? A resposta é óbvia e agora é comprovada pelo ganhador do prêmio Nobel. Quer saber o por quê? Leia o post.

Ao contrario do que a maioria dos brasileiros com seu espírito protetor acredita, oferecer uma educação na primeira infância para seu filho é uma das melhores coisas que você pode fazer. Sabe aquela frase:

“Tadinho, tão pequenininho e já tá na escola”

Não tem comentário que me deixa mais brava do que esse. Pode falar de alimentação, desfralde, dar opinião, fazer o que quiser… Mas não faça esse tipo de comentário para mim. Eu sinceramente entendo o instinto de proteger o filho. Mas deixar uma criança trancada em casa com a babá que em sua grande maioria ficará vendo TV o dia inteiro, sem prover os estímulos necessários. Isso, pra mim, é um desperdício de talento do seu filho.

Seu filho é um milagre, com mais potencial do que qualquer um de nós pode compreender. A única coisa que você precisa fazer, é dar as ferramentas para que ele posso explorar esse potencial. E a melhor fase para fazer isso é durante a primeira infância. Sempre acreditei nisso, aliás, eu sempre acreditei que educação e alimentação, são os investimentos mais importantes que você pode fazer na vida. Mas eu, uma simples reles mortal, não tinha como provar minha crença. Eis que surge a prova:

Deixar em casa com a babá ou dar uma educação na primeira infância? A resposta é óbvia e agora é comprovada pelo ganhador do prêmio Nobel. Quer saber o por quê? Leia o post.

O estudo do Economista ganhador do Prêmio Nobel

James J. Heckman é um professor da universidade de Chicago e um ganhador do prêmio Nobel de economia em 2000. Ele ganhou o prêmio pelo desenvolvimento da teoria e de métodos para analizar amostras seletivas. Ou seja, ele não tem nada haver com seu filho. Porém, ele usou esse método e tem uma montanha de dados que demonstra que: oferecer um uma educação de qualidade durante a primeira infância pode aumentar a capacidade das crianças em aprender habilidades valiosas, fortificar nossa força de trabalho, com isso crescer a economia e diminuir o custo social.

A tradução do estudo

James J Heckman, com suas formulas e milhões de dados coletados conseguiu provar que se todos nós investíssemos na educação na primeira infância as conseqüências seriam as seguintes:

1.Diminuiria a distância das conquistas

Um estudo de qualidade na primeira infância pode diminuir a distância de habilidades entre as crianças com menos custo e mais eficiência do que no ensino fundamental ou médio.

Ou seja, se você comparar duas crianças que estudaram na mesma escola no ensino fundamental e na faculdade. Tendo como única diferença ter tido educação na primeira infância de qualidade e outra que não teve e ficou com a babá, por exemplo. A primeira teria uma vantagem significativa sobre a segunda. Coisa que só com muito investimento e sem tanto resultado seus pais poderiam compensar mais para frente.

2. Pode melhorar a saúde

Pesquisas recentes feitas pelo James J Heckman mostra que crianças que tem uma educação na primeira infância unidos com uma alimentação saudável apresentam 30 anos depois menos risco de doenças cardiovasculares e metabólicas, como por exemplo: diabetes e AVC.

Ou seja, seu filho está melhor na escola com um cardápio equilibrado do que com a babá em casa comendo macarrão, arroz, danoninho e carne todo dia. Tudo isso diminui o custo da sociedade na saúde como um todo.

Deixar em casa com a babá ou dar uma educação na primeira infância? A resposta é óbvia e agora é comprovada pelo ganhador do prêmio Nobel. Quer saber o por quê? Leia o post.

3. Aumento nos salários

O professor James. J Heckman provou em um estudo que selecionou crianças pobres da Jamaica para receberem educação na primeira infância. Essas, quando adultos, apresentaram um aumentos de salário em 25 % quando comparadas com as crianças que não tiveram educação na primeira infância.

Ou seja, com tudo ou mais constante, seu filho vai ganhar 25% a mais no futuro se ele tiver uma educação na primeira infância de qualidade.

4. Retorno no investimento comprovado

O retorno anual no investimento da educação no primeira infância é de 7% a 10% pois, tem seu retorno em educação, diminuição da criminalidade, aumento na saúde, na sociabilização e na produtividade econômica no pais como um todo.

Inscreva-se já no Canal

Bom, eu sinceramente espero nunca mais ouvir o comentário acima. Também espero, que as mães parem de pensar que educação no primeira infância é só brincar. E comecem a dar valor  para onde colocar seu filho quando pequeno. Cada família tem suas prioridades, orçamentos e estilo, claro. Mas tá ai mais dados para que pelo menos,você tome suas decisões de forma informada.

Não esqueça de deixar seus comentários aqui embaixo

Beijos e até a próxima

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 Comentários:
  1. Lais Quaresma disse:

    Sempre leio os artigos do site, porém esse me chamou bastante atenção. Sou professora de educação infantil, trabalho com crianças de 5 anos e mãe de um menino de 2 anos e 4 meses. Sempre sou indagada a respeito da melhor idade para se entrar na escola. A minha resposta quanto isso se diferencia bastante do que se propõe a materia tratando crianças como mercadorias do sistema capitalista( desculpa o senhor do prêmio nobel, mas de educação ele entende pouco), vejo crianças cada vez mais cedo na escola por ausência dos pais(trabalhando para um sistema que so tem interesse no capital, deixando as pessoas cada vez mais desumanas) ,tenho que concordar quando esse senhor diz que a melhor opção não é deixar com babá, a melhor opção nesta fase é a presença dos pais! o cuidado, o colo, os passeios no parquinho, a interação com coleguinhas e outras famílias, a brincadeira com os pais, o afeto na hora do desfralde e do banho, não há nada mais educativo e afetivo do que isto, você ter tempo para o seu filho. A melhor idade é aquela em que você achar que seu filho está preparado emocionalmente e educado(Sim, a educação parte primeiramente e principalmente dos pais, parece óbvio, mas infelizmente não é) para conviver em um novo ambiente social. Infelizmente esta visão capicapitalista tem trazido consequencias drásticas para nossa sociedade. Como um certo pai disse após a morte de seu filho na escola:”hoje temos crianças órfãs de pais vivos”. Nossa sociedade nunca teve tantos transtornos psicológicos como os dias atuais. Se eu tiver que dar um conselho hoje para pais, seria: revejam o tempo que dedicam ao seus filhos.

  2. Daniela Falcão disse:

    Acho que não entendi. O que seria educação na primeira infância pra você já que você diz que “só brincar” é pouco? Seria entregar uma apostila para uma criança de 3, 4 anos? Todos os estudos pedagógicos recentes apontam para a brincadeira como a única forma de desenvolvimento completo possível da criança na primeira infância. Só os estudos recentes não, se você ler Vygotsky e outros teóricos, eles vão na mesma linha. Hoje em dia existem inúmeras escolas e espaços de brincar que usam a brincadeiras como cerne da grade escolar, por estar alinhado aos PCNs e garantir a efetividade do processo de aprendizagem. Achei seu texto excelente, mas desmerecer a brincadeira, realmente, é lamentável.

  3. Ivone disse:

    Então, sou babá é não faço o que foi descrito no texto. Dou comida de qualidade, brinco, aplico atividades, faço os estímulos adequados. Sou forna em letras e curso uma pós em educação infantil.
    Tudo vai depender da qualificação que os pais procuram e o preço a ser pago.
    Claro que a maioria das babás fazem exatamente o que o texto relata. Fico feliz em tornar meu trabalho diferenciado.
    Portanto vim parar aqui justamente procurando um conteúdo para me ajudar com a criança que cuido.